MÉRIDA, aqui tão perto!


Declarada Património da Humanidade pela UNESCO em 1986. Mérida é um município e cidade capital da comunidade autónoma da Estremadura espanhola, nas margens do rio Guadiana, de área 865,6 km². Em 2016 tinha aproximadamente 60.000 (densidade: 68,4 hab./km²). Situa-se a pouco mais de 300km de Lisboa, 380km de Faro e 420km do Porto.

A nossa rota leva-nos desta vez até Mérida, a antiga capital romana da Lusitânia, a capital que se foi perdendo importância no tempo, mas a sua herança histórico-cultural é de peso. Emerita Augusta, atual Mérida, foi fundada pelo imperador romano Octavio Augusto no século I a.C. As maiores cidades lusitanas eram na altural, Aeminium (Coimbra), Conimbriga (Condeixa-a-Velha), Scallabis (Santarém), Olisipo (Lisboa), Ebora (Évora), Pax Julia (Beja), Ossonoba (Faro) e, as atualmente espanholas, Salmantica (Salamanca), Norba (Cáceres), Metellinum (Medellín).

Onde ficamos

A cidade é muito agradável e não muito grande, ideal para descobrir a pé. Mérida, está um pouco para lá de Badajoz, mesmo junto da autoestrada que liga Lisboa a Madrid (sem portagens). Um passeio a esta antiga capital romana da Lusitânia vale imenso a pena e para os mais novos será como visitar, quase ao pé de casa, um mundo que praticamente só conhecem dos livros do Astérix. Património da Humanidade, a cidade é toda ela um museu vivo.

Ficamos na ES-ASA-P Teatro Romano – Mérida | Pn(12 EUR – sem electricidade (electricidade +3€). O espaço tem capacidade para acolher aproximadamente 18-20 Autocaravanas. A área de manutenção encontra-se bem estimada.

Autocolante Eurostops com vistas para o espaço
Área Serviço Mérida

O que visitar em Mérida

TEATRO ROMANO

O teatro é construído sob o patrocínio de Agripa, genro de Augusto, entre os anos 16 e 15 a.C., quando a Colónia foi promovida a capital da província da Lusitânia. Tal como o edifício contiguo do Anfiteatro, o Teatro foi parcialmente edificado na ladeira de um cerro, o que abaratou substancialmente os custos da sua construção. O resto foi erigido em cimento revestido de silhares.

Teatro Romano

ANFITEATRO ROMANO

Erigido no século 8 a.C., como atestam as inscrições encontradas nas suas tribunas, o Anfiteatro foi palco de espetáculos muito populares: os jogos de gladiadores, as caçarias de feras e lutas entre animais selvagens, em cenários artificiais que recriavam bosques, selvas com lagoas ou desertos. Tudo isto por cima dos grandes estrados de madeira que formavam a arena. A lotação aproximada deste espaço gigantesco era de entre quinze e dezasseis mil espetadores.

Anfiteatro

TEMPLO DE DIANA

Realmente tratase de um templo de culto imperial situado ao fundo de uma grande praça que foi parcialmente nivelada, visto que se evidenciam vestígios de um criptopórtico nalgumas zonas. Da praça ainda se conservam lajes de mármore do pavimento, bem como os muros que a delimitavam e os tanques que flanqueavam o edifício.

Templo de Diana

MUSEU NACIONAL DE ARTE ROMANA

Obra do prestigioso arquiteto de Tudela (Navarra), Rafael Moneo Vallés, este edifício, com as suas dimensões colossais, um uso reiterado do arco de meio ponto e a utilização de tijolo e cimento, recria os grandes edifícios do período tardo-romano, como as termas de Diocleciano de Roma ou o mausoléu de Gordiano em Tessalónica. Dentro, podemos admirar uma das melhores coleções de escultura romana e mosaicos da península. Através da visita aos seus quartos, entenderemos como uma grande cidade romana funcionou e como dela foi administrada uma vasta província, o mais ocidental do Império Romano.

DICA DO PILOTO: O museu localiza-se junto ao Anfiteatro e Teatro Romano, a pouco mais de 10 min a pé da Área de Serviço para Autocaravanas, para ambas atações necessita aproximadamente entre 3-4 horas.

A não perder

Aquaduto dos Milagros – Este aqueduto colossal faz parte de uma condução hidráulica que trazia a água oriunda da represa de Proserpina ou Charca de La Albuera. É conhecido popularmente como “Los Milagros” devido à admiração que, o seu estado de conservação causava, tanto aos habitantes locais como a forasteiros, apesar das vicissitudes do tempo.

Circus Romano – É um dos circos melhor conservados do Império e também um dos mais grandiosos, como demonstra a sua dimensão, quatrocentos e três metros de comprimento e noventa e seis e meio de largura, e a sua lotação, que poderia ter chegado a ser de até trinta mil espetadores.

Ponte Romana – Durante a época romana, o nome do rio que vemos era “Anas”, ao qual se juntou posteriormente o prefixo árabe “Guad” que significa rio. Ora bem, este rio tem uma ponte, “a ponte” como lhe chamavam os antigos, que é uma das mais compridas da antiguidade. É a obra que dá sentido à existência desta cidade e, pelo seu valor estratégico, é um elemento crucial para o comércio e para todas as guerras que tiveram como cenário a parte ocidental da península.

Alcáçova Árabe – A finalidade deste recinto fortificado era múltipla: servir como sede das dependências administrativas omíadas e residência do governador local, mas sobretudo como filtro de acesso à cidade pela ponte romana, refúgio da minoria árabe durante as reiteradas agitações locais contra o poder cordovês, e praça onde se acantonavam as tropas do emir, bem como para abafar as revoltas dos moçárabes meridíes, ou para efetuar incursões nos reinos cristãos do Norte.

Alcáçova
Muralhas

Plaza de España – Desde o seu ordenamento como tal, na época dos Reis Católicos, a praça foi o lugar de mercado e onde se encontravam os tanques e fontes de água corrente. Também serviu como estrado para espectáculos teatrais, praça de touros, lugar de castigo, mascaradas, luminárias e procissões. Era aqui que o povo recebia os monarcas e a sua família durante as visitas régias, e onde se proclamava fidelidade ao rei quando este subia ao trono ou onde se fazia o luto quando falecia. Nesta grande praça rectangular foram-se acrescentando os edifícios de poder, desde os princípios da Idade Moderna até aos dias de hoje.

Plaza de Espanha
Ayuntamiento de Mérida

TOME NOTA: O bilhete do Conjunto Histórico-Arqueológico permite o acesso, em um ou vários dias, a todos os recintos monumentais geridos pelo Consorcio: Teatro e Anfiteatro Romanos | Circo Romano | Alcáçova Árabe | Conjunto Arqueológico de Morería | Cripta da Basílica de Santa Eulalia | Casa del Mitreo-Columbarios

PREÇOS

Conjunto completo: 15 € – 7,5 € (reduzido)
Teatro e Anfiteatro: 12 € – 6 € (reduzido)
Qualquer outro monumento: 6 € – 3 € (reduzido)

Bilhete reduzido: jovens até 17 anos, portadores do cartão jovem, estudantes até 25 anos, maiores de 65 anos ou reformados, pessoas com deficiências e membros de família numerosa
Entrada gratuita: menores até 12 anos, sócios MECENAS, investigadores e residentes em Mérida

A nossa opinião

Uma cidade possível de visitar em 24 horas, com uma ASA bem localizada a pouco metros do centro. Não uma mega-cidade! é uma cidade simpática, pequena com muita história e ambiente hospedeiro. Merece uma visita!

Eurostops

www.eurostops.pt

Related Posts

O QUE SÃO ADITIVOS … Aditivos são substâncias químicas que são adicionadas aos combustíveis, óleo do ...
Eurostops
25/05/2020
Penamacor foi uma das mais importantes fortalezas da fronteira portuguesa. A génese administrativa ...
Eurostops
10/05/2020
Rota romântica alemã Fundada em 1950 como um propósito turístico, a Rota Romântica é ...
Eurostops
10/05/2020